You are currently browsing the category archive for the ‘Mudanças Climáticas’ category.

capa

Resumo. Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) são incentivos, financeiros ou não, para a conservação ambiental e a manutenção dos serviços ecossistêmicos. As iniciativas de PSA têm como princípio uma transição voluntária na qual um serviço ambiental, como a produção de água ou o desmatamento evitado, é adquirido de um provedor deste serviço condicionado ao compromisso da manutenção no oferecimento deste. Neste texto são apresentados três casos brasileiros de PSA: recursos hídricos, desmatamento evitado e a minimização dos conflitos entre proprietários rurais e grandes carnívoros. Estes três estudos de caso demonstram que a heterogeneidade é uma característica em relação aos PSA devido a algumas particularidades: diversidade de serviços ambientais, variedade de arranjos institucionais envolvidos nesses projetos e de fontes de financiamento. A conclusão geral é de que, apesar dos desafios e problemas enfrentados, é inegável o potencial dos PSA como mecanismos de geração de renda e estímulos a conservação ambiental.

Palavras-chave: Incentivos Fiscais e Financeiros; Desmatamento; Degradação Ambiental; Recursos Hídricos; Conflitos Socioambientais.

LAMIM-GUEDES, V.; FERREIRA, L. ; CARVALHO, P. P. P. ; CAMARGO, P. L. T. . Pagamento por serviços ambientais como instrumento para políticas públicas de conservação ambiental. INTERFACEHS, v. 12, p. 2-17, 2017.

Acesse o texto completo

Anúncios

No começo do dia 29/fevereiro no Brasil, o autor norte-americano Leonardo DiCaprio ganhou o Oscar de melhor autor. Em seu discurso, surpreendeu a todos tratando de mudanças climáticas.

“Por último, só quero dizer isto: O Regresso trata da relação do homem com a natureza, uma natureza que todos sentimos em 2015 como o ano mais quente já registrado. Nossa produção precisou se deslocar ao ponto mais meridional deste planeta só para poder encontrar neve.

A mudança climática é real, está acontecendo agora mesmo. É a ameaça mais urgente que a nossa espécie precisa enfrentar. Precisamos trabalhar juntos e deixar de procrastinar. Precisamos apoiar os líderes de todo o mundo que não falam em nome das grandes corporações poluentes, mas sim de toda a humanidade, dos povos indígenas, de bilhões de pessoas desfavorecidas que serão as mais afetadas por tudo isto, das crianças e de tanta gente cujas vozes foram afogadas pela política da cobiça.

Obrigado a todos por este prêmio incrível desta noite. Não devemos encarar o planeta como algo garantido. Não encaro esta noite como algo garantido”.

Veja o discurso completo (texto)

Imagem1

Resumo: A crise ambiental, melhor definida como socioambiental ou civilizatória, tem se tornado mais grave a cada dia devido às mudanças climáticas globais. Ações de Educação Ambiental (EA) não podem ignorar a seriedade da situação, mas também não podem cair em um fatalismo que leva à inação. Neste texto, buscamos problematizar alguns aspectos relacionados às mudanças climáticas e sugerimos algumas atividades.

Palavras-chave: pegada de carbono; crise ambiental; educação ambiental; mudanças climáticas.

LAMIM-GUEDES, V. Educação Ambiental e Mudanças Climáticas em Sala de Aula. Educação Ambiental em Ação, v. 54, 2015.

Acesse o texto completo

12390838_1154826564545131_7174986528091686196_n.jpg

Link para Download: goo.gl/lfOjp3

Ruínas à beira do Rio Douro, Porto, Portugal. Novembro de 2012.

RESUMO: Lê-se, neste ensaio, uma “estória” recontada. Desde a Grécia antiga, em que Natureza e divino se confundem, o Homem tenta domar e invadir o espaço do sagrado/natural. A tragédia se abate sobre o herói ao mesmo tempo em que este domina uma parte da Natureza. Esta mesma natureza, já não divinizada, mas ainda pungente, tenta reaver seu espaço, lenta como a divindade imortal, que não vê em si mesma um sentido de finitude e imediatismo, presentes no que é propriamente humano. Assim, caminhando pelas cidades impermeabilizadas pelo asfalto e concreto, a natureza ainda resiste e se reafirma infinita sobre a obra humana, quer num broto que nasce de uma rachadura do asfalto, de raízes que racham as calçadas ou de samambaias ou árvores que dominam ruínas abandonadas.

PALAVRAS-CHAVE: Ambiente. Natureza. Arte. Urbano. Percepção de Mundo.

ReferênciaGONTIJO-ROSA, C. J ; LAMIM-GUEDES, V. Ensaio sobre a luta da Natureza contra o desaparecimento. ClimaCom Cultura Científica – pesquisa, jornalismo e arte, v. 2, n, 3, 2015.

Leia o texto completo

RESUMO: O declínio de populações de polinizadores, com vários casos de desaparecimento destas, é um problema que tem sido registrado em várias regiões do mundo e que gera grande preocupação internacional, sendo um desafio para o cultivo de diversas plantas com interesse econômico e manutenção da biodiversidade. Há um consenso de que o declínio de polinizadores, como abelhas, borboletas e mariposas, de plantas de interesse econômico e nativas está ocorrendo devido à destruição ou alteração do ambiente, uso de pesticidas, parasitas, doenças e a introdução de espécies exóticas, que têm colocado em risco muitas espécies polinizadoras. Além destas pressões, há o risco de influência das mudanças climáticas, que para alguns autores é algo, aparentemente, focado em algumas espécies nativas. Contudo, há um aumento de evidências que endossam as preocupações em relação às mudanças climáticas, como será discutido neste texto.

PALAVRAS-CHAVE: Desaparecimento. Polinização. Serviços Ecossistêmicos. Produção Agrícola. Conservação da Biodiversidade.

ReferênciaLAMIM-GUEDES, V. Declínio de polinizadores e mudanças climáticas. ClimaCom Cultura Científica – pesquisa, jornalismo e arte, v. 2, n. 3, 2015.

Leia o texto completo

Resumo: A região metropolitana de São Paulo, com cerca de 20 milhões de pessoas, está em uma grave situação de escassez de água. Este texto, como uma reflexão para o Dia mundial da Água, aborda a problemática política que levou a crise de abastecimento de água na cidade de São Paulo. Apesar de ser influenciado por aspectos ambientais, incluindo uma média de chuvas abaixo do esperado e degradação ambiental, as opções políticas e o modelo de desenvolvimento são os maiores responsáveis pelo cenário atual. A solução para a crise hídrica inclui uma maior participação social, com maior posicionamento crítico dos cidadãos.

Palavras-chave: crise hídrica, gestão de recursos hídricos, democracia, justiça ambiental.

LAMIM-GUEDES, V. Crise da água na região metropolitana de São Paulo, Brasil. Global Education Magazine, v. 11, p. 95-99, 2015.

Acesse o texto completo

Bookmark and Share

Clique para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email

Junte-se a 3.595 outros seguidores

Categorias

E-mail

dirguedes@yahoo.com.br

Mensagens recentes no Twitter

Current CO2 level in the atmosphere

População Mundial

Já somos 7 bilhões! Clique na figura e veja a população atual.

%d blogueiros gostam disto: