You are currently browsing the category archive for the ‘Uncategorized’ category.

image001

Resumo: O uso de atividades lúdicas consiste em um importante recurso didático no ensino de temas socioambientais, tanto em espaços formais quanto não-formais, pois apresenta conteúdos, estimulando a sociabilidade e a criatividade e gerando, portanto, motivação e vontade de aprender. Esse trabalho propõe o uso de um jogo de cartas como método de reflexão e tomada de decisões acerca de grandes problemas socioambientais da atualidade.

Palavras-chave: Ecologia; Meio Ambiente; Desequilíbrio socioambiental.

MELO, R. R. ; LAMIM-GUEDES, V. Jogo Educar para a Sustentabilidade: o uso da ludicidade como ferramenta para reflexão e tomada de decisões. Educação Ambiental em Ação, v. 60, 2017.

Acesse o texto completo

image002

Resumo: O texto apresenta um jogo didático de tabuleiro que aborda conceitos de meio ambiente e preservação. O objetivo com este jogo é de melhorar a relação ensino-aprendizagem, além de abordar a Educação Ambiental de forma atrativa e motivadora. Com isto, espera-se proporcionar aos jogadores desenvolvimento de capacidades e intervenção nos fenômenos ambientais e constituir material didático de apoio para ensino visando melhorar a compreensão dos assuntos que envolvem os temas abordados no jogo.

Palavras-chave: Educação Ambiental; Jogo didático; Lúdico; Prática educativa;

COMETTI, R. R. ; LAMIM-GUEDES, V. . Jogo de Tabuleiro ?Vamos Brincar de Aprender?: subsidio para atividades educativas de educação ambiental. Educação Ambiental em Ação, v. 60, 2017.

Acesse o texto completo

 

revista1abelhamenor.jpg

A Revista Educação Ambiental em Ação completa, nesta edição, quinze anos – 15 anos de edições trimestrais. Começamos com um grupo pequeno, com a ideia de que estaríamos suprindo a necessidade de divulgar temas ambientais. Em 2002 discutia-se mundialmente o aquecimento global. No Brasil, o debate girava sobre a aprovação da Lei de Gestão de Resíduos, as políticas de Educação Ambiental (EA); em 2006 O Congresso Ibero Americano de EA, em Joinville, discutia o Programa Nacional de Educação Ambiental (ProNea), os resultados dos diversos debates luso-brasileiros e ibero-americanos sobre EA e meio ambiente. E foram gerando espaços para formação de grupos. Destes grupos surgiram materiais didáticos resultados de estudos, pesquisas, debates.

A revista começou com um sonho de um grupo em reunir materiais para disponibilizar a muitos, o que muitos praticavam isoladamente, e se tornou referência na Internet, no meio acadêmico, citações em bibliografias. Hoje, 15 anos depois, os nossos materiais contêm conhecimento na área de engenharias, saúde, arquitetura, administração empresarial, movimentos sociais, administração pública e escolar, entre outros. São 15 anos em que o grupo foi se alterando, que a ciência evoluiu, que a tecnologia desenvolveu métodos de eficiência grandiosa.

Ainda lembro quando começamos e de quando os primeiros artigos chegavam. Líamos durante dois meses, revisávamos, devolvíamos ao autor, aguardávamos, ajustávamos figuras, gráficos, organizávamos em pastas, e no final se transferia para a página da revista. Tudo era, e ainda é, combinado por e-mail. E a Bere virando as madrugadas para colocar tantos materiais na rede em tempo de lançar a revista na data divulgada; a nossa preocupação também era, e ainda é, com a qualidade e cumprir o prazo estabelecido. A nossa colaboradora e amiga Sol Karmel que participou ativamente desta construção, sempre ajudando. Foi ela quem providenciou a nossa ficha catalográfica, além de colaborar com envio de artigos, sugestões, sempre destacando a importância de um conteúdo com qualidade, sendo que fez parte do corpo editorial por diversos anos. O editor Júlio, através do seu amplo conhecimento em informática e tecnologia, foi o responsável pela criação do ambiente virtual que hoje está com um sistema bastante complexo para promover melhor interatividade entre autores e editores. Foi ele quem incrementou a nossa Revista com o design e a praticidade do sistema de inclusão de materiais.

E foi assim, a muitas mãos distantes, mas muito próximas em ideais, que a revista foi crescendo. Enfim, passaram-se 15 anos e o nosso agradecimento vai para todos os colaboradores que continuam abrilhantando a equipe da Educação Ambiental em Ação; para os leitores, que nos prestigiam com a leitura e divulgação da revista; para os profissionais que incrementaram EA nos seus temas de trabalhos e mudaram comportamentos nas atividades desenvolvidas, melhorando assim a qualidade ambiental.

Então, nesta edição, ao completar 15 anos, de sonhos, de trabalho, de amizades, de divulgação da EA, sabemos que o nosso caminho está só começando, e que vamos alcançar mais espaço nas áreas de conhecimento, pois juntos nos tornamos mais fortes e melhores.

Queremos dividir com todos esta nova e comemorativa edição, cheia de trabalhos de especial qualidade, em que pessoas se empenharam em fazer o melhor, pelo ensino, pela pesquisa, PELO MEIO AMBIENTE. Em tempos de valorização das Redes Sociais, Curtam, Compartilhem e Apreciem a nossa edição de quinze anos, que está recheada de muita emoção. São muitos os nossos colaboradores e todos são importantes para que estejamos comemorando esta data tão especial, então MUITO OBRIGADO, com muito carinho,.

Sandra Barbosa e equipe da revista Educação Ambiental em Ação

www.revistaea.org

image002Figura: Escala de interferência humana na paisagem. A. Terras virgens; B. Coleta; C. Caça e pesca; D. Pastoreio; E. Agricultura; F. Indústria; G. Urbanização; H. Controle Climático; I. Fuga Exobiológica. Fonte: Dansereau (1999, p. 192).

Resumo: Perceber o papel da humanidade no funcionamento e degradação do planeta é uma ação importante e que favorece a tomada de consciência crítica e mudanças de comportamento e uma maior participação na vida democrática. Neste texto apresentamos três propostas de atividades que envolvem o debate sobre o Antropoceno e a Escala de Interferência Humana de Pierre Dansereau. A primeira proposta é uma oficina que pode ser realizada durante uma ou algumas aulas no ensino formal. As outras duas atividades, a partir da apresentação de conceitos, seguida por debates, os alunos desenvolverão desenhos ou tirar fotos de forma que os produtos finais podem ser uma exposição fotográfica ou um vídeo a ser publicado on-line. Objetiva-se com este texto apresentar conceitos e propor formas de problematizá-los em ações de educação ambiental, sendo que as propostas não são apresentadas como fechadas, mas como ideias iniciais para que os educadores se inspirarem e modificarem conforme a sua realidade.

Palavras-chave: Antropoceno; Degradação Ambiental; Pierre Dansereau, Ecologia Humana.

Referência: OLIVEIRA, C. C.; SILVA, G. I.; MARTINS, I.; LAMIM-GUEDES, V. Antropoceno e a escala da interferência humana de Pierre Dansereau: atividades de educação ambiental. Educação Ambiental em Ação, v. 58, 2016. Disponível em <http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2601>.

Acesse o texto completo

Resumo: A organização e realização dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio-2016 envolve um grande esforço dos entes públicos, com a execução de obras, da sociedade civil e da iniciativa privada, o que depois se tornará no chamado legado olímpico. Neste texto analisaremos a questão da sustentabilidade nos Jogos e o legado ambiental, consideraremos que esta análise engloba diversas dimensões, não sendo “apenas” ambiental, mas socioambiental. Desta forma, apresentaremos de forma geral a proposta de legado ambiental dos Jogos Rio-2016, o Plano de Sustentabilidade para a organização e contrapor com a efetivação destes e aspectos negligenciados. Discutiremos também a questão midiática envolvendo os Jogos, sobretudo as cerimônias de abertura e encerramento.

Palavras-chave: sustentabilidade; mídia; conflitos ambientais; socioambiental.

LAMIM-GUEDES, V.; TAGNIN, R. A. Legado dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio-2016: sustentabilidade, cobertura midiática e aspectos negligenciados. Revista Eletrônica de Iniciação Científica Tecnológica e Artística, v. 6, p. 4-9, 2016.

Acesse o texto completo

Livro de banda desenhada (pdf) da autoria de Bruno Pinto (argumento), Penim Loureiro (desenho) e Quico Nogueira (cor), onde podemos acompanhar uma jornalista e um repórter de imagem enquanto fazem …

Fonte: Ebook gratuito: BD “Reportagem Especial – Adaptação às alterações climáticas em Portugal”

Acompanhe os post sobre o Dia do Biólogo através da categoria Dia do Biólogo

No Brasil, a profissão de Biólogo foi regulamentada Lei número 6.684 de 03 de setembro de 1979. Devido a isso instituiu-se o Dia do Biólogo nesta data.

Abaixo estão artes e postagens de 2016.

Aqui estão artes dos anos anteriores

Veja também

Dia do Biólogo 2013

COMO COMPREENDER E CONVIVER COM SEU AMIGO(A) OU NAMORADO(A) BIÓLOGO(A):

SOBRE SER BIÓLOGO

Um pouco do que é ser biólogo.

Armandinho e o Dia do Biólogo

Acompanhe os post sobre o Dia do Biólogo através da categoria Dia do Biólogo

mmm timor47 120512

Foto:  Bandeira de Timor-Leste. Miguel Madeira, 12-maio-2012. Origem: http://www.publico.pt

 

Em 20/05/2002, O país, até então administrado pela ONU desde 1999, sob liderança do brasileiro Sergio Vieira de Mello (1948-2003), passou a ter um governo democraticamente eleito, marcando a restauração de independência em Timor-Leste.

Este blog acompanha a situação timorense desde 2011, sendo que em 2012, o autor morou no país do sudeste asiático. Desta forma, convido vocês a acessarem a categoria que reúne os posts: https://naraiz.wordpress.com/category/timor-leste/

image001

Resumo:  O que é Educação Ambiental (EA)? Temos uma definição clara a única para descrever esta área da educação que, cada vez mais, tem construído um histórico de mobilização e atuação na sociedade? Neste texto relatamos uma atividade desenvolvida em um curso de pós-graduação lato sensu de formação continuada de educadores ambientais na modalidade a distância. Em um fórum de interação, os alunos desta pós-graduação foram convidados a (a) selecionar uma definição de EA que eles se identificam; e (b) em qual(is) corrente(s) da EA eles encaixam suas as ações. Os participantes, de forma geral, elegeram poucas definições de EA e consideraram todas muito semelhantes, em relação às correntes, eles classificaram suas ações em várias correntes, sobretudo na “crítica social”. Como conclusão, entendemos que a diversidade de discursos – correntes – representa a complexidade da EA em suas diversas formas de interpretar as problemáticas socioambientais e de como reagir a estas. A retroalimentação entre as diversas correntes da EA e com outros movimentos sociais apresenta-se como uma forma de ter um debate mais rico e diversificado em prol da sustentabilidade e igualdade.

Palavras-Chave: Justiça Ambiental; Sustentabilidade; Conceitos; Movimentos Sociais.

Referência: LAMIM-GUEDES, V.. Educação Ambiental: uma ou várias? Debate entres educadores ambientais mediado pela internet. Educação Ambiental em Ação, v. 55, 2016. Disponível em <http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2305>.

Bookmark and Share

Clique para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email

Junte-se a 3.596 outros seguidores

Categorias

E-mail

dirguedes@yahoo.com.br

Mensagens recentes no Twitter

Current CO2 level in the atmosphere

População Mundial

Já somos 7 bilhões! Clique na figura e veja a população atual.

%d blogueiros gostam disto: