You are currently browsing the category archive for the ‘Arregaçando as mangas’ category.

No começo de 2017, foi lançado o livro Educação Ambiental na Educação Básica: Entre a disciplinarização e a transversalidade da temática socioambiental. Esta obra foi um passo inicial no qual analisamos o embate entre diferentes visões sobre a Educação Ambiental (EA) Escolar, de forma que nos posicionamos a favor da transversalidade da questão socioambiental e contra a disciplinarização da EA representada pelo Projeto de Lei do Senado 221/2015. O exercício de reflexão realizado neste livro possibilitou a emergência de diversas dúvidas que orientam esta chamada:

  • Como fazer com que a adoção de temas transversais seja eficiente e eficaz?
  • Como desenvolver ações de EA nas instituições educativas em seus diferentes níveis educacionais, desde a educação infantil até os programas de pós-graduação e ambientalização curricular, que adotem o princípio da transversalidade?
  • Como desenvolver ações de EA em espaços não-formais de maneira transversal?
  • Quais experiências exitosas temos no Brasil?

Neste contexto, iniciamos com esta chamada o processo de organização de uma segunda obra, que vai além da discussão disciplinarização X transversalidade, demonstrando ações inovadoras e transversais de educação ambiental. Desta forma, convidamos as educadoras e educadores ambientais, assim como outros profissionais, que adotam em suas práticas o princípio da TRANSVERSALIDADE a escrever um texto para esta obra.

A proposta deste livro emerge da importância de darmos visibilidade às práticas pedagógicas, em diversos contextos (formais e não formais), que conseguem vencer os desafios da educação tradicional, fragmentadora, e trabalhar com a transversalidade. O capítulo deve apresentar uma descrição da prática desenvolvida acompanhada de uma análise à luz de referenciais teóricos;

Normas

  • Formato do arquivo de texto (.doc, .docx ou similar, preferencialmente, .docx);
  • Fonte: Times New Roman;
  • Tamanho da fonte: 12;
  • Texto justificado;
  • Espaçamento: 1,5 entre linhas, sem espaço entre os parágrafos (sem espaçamento antes e depois) e com recuo de 1,25 cm na primeira linha de cada parágrafo. Exceto as referências que são alinhadas à esquerda;
  • Cabeçalho simples: título/autores/instituições. Capa: não incluir.
  • Extensão: O texto deve extensão entre 10 e 20 páginas.
  • Plágio: os capítulos serão analisados por ferramenta anti-plágio, assim, é essencial que todas as fontes das informações sejam indicadas, assim como evitem auto-plágio.
  • Avaliação: a avaliação dos textos será realizada pelos organizadores, seguida pela dupla leitura às cegas entre os autores.

A obra será, inicialmente, submetida às editoras comerciais para averiguar o interesse. Em caso negativo, faremos a auto-publicação (pdf com ISBN disponibilizado na internet).

Data limite para envio: 31/dezembro/2017

Envio: os textos devem ser enviados para os e-mails lamimguedes@gmail.com e rafael.araujo.monteiro@gmail.com, assim como dúvidas e comentários.

Valdir Lamim-Guedes

Rafael de Araujo Arosa Monteiro

Organizadores

Anúncios

image001

Resumo: O uso de atividades lúdicas consiste em um importante recurso didático no ensino de temas socioambientais, tanto em espaços formais quanto não-formais, pois apresenta conteúdos, estimulando a sociabilidade e a criatividade e gerando, portanto, motivação e vontade de aprender. Esse trabalho propõe o uso de um jogo de cartas como método de reflexão e tomada de decisões acerca de grandes problemas socioambientais da atualidade.

Palavras-chave: Ecologia; Meio Ambiente; Desequilíbrio socioambiental.

MELO, R. R. ; LAMIM-GUEDES, V. Jogo Educar para a Sustentabilidade: o uso da ludicidade como ferramenta para reflexão e tomada de decisões. Educação Ambiental em Ação, v. 60, 2017.

Acesse o texto completo

Figura 8: Sala de aula ao ar livre.Fonte: Amandi Buzon Rodelli

RESUMO: O presente projeto Geração Sustentável surgiu da expectativa de transformar a realidade da Escola Estadual Professor Coriolano Monteiro, localizada em Campinas-SP. O objetivo deste projeto foi mobilizar o máximo de pessoas baseando-se nos princípios da Educação Ambiental, a fim de transformar o ambiente escolar e desenvolver novos valores, como a sustentabilidade. Inicialmente, foi realizado um diagnóstico socioambiental dos problemas locais e proposto um cronograma de ações para a construção de uma escola sustentável. As atividades começaram em 2013 e envolveram: criação de uma sala de aula ao ar livre;plantio de árvores nativas e plantas ornamentais;implantação de uma horta agroecológica;realização de compostagem de resíduos da merenda e de coletas domésticas; pinturas e grafites nas paredes;reutilização de materiais como caixotes de madeira, pneus, garrafas pet, latas de alumínio, revistas, óleo de cozinha; organização de eventos culturais, entre outras. Através deste projeto obtiveram-se resultados positivos, como a adesão e participação da comunidade escolar;parceria com universidades, empresas e outras instituições; criação de uma associação como um mecanismo para beneficiar os participantes; e o aprendizado dos alunos e funcionários exercendo a cidadania e o respeito com o meio ambiente.

PALAVRAS-CHAVE: Educação Ambiental; Escola sustentável; Comunidade.

SANTOS, A. A. ; RODELLI, A. B.; LAMIM-GUEDES, V. . Projeto Geração Sustentável: transformando a realidade de uma escola pública através da educação ambiental. Educação Ambiental em Ação, v. 56, 2016.

Texto completo: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=2329 

Capa

Foi publicado a copilação de posts do blog (Vi)ver n_a Cidade nos formatos pdf e impresso.

SILVA, F. D. ; QUITÉRIO, J. ; ALVES, J. P. ; KISHI, K. H. S. ; LAMIM-GUEDES, V. . (Vi)ver n_a Cidade: Ocupações de Espaços Urbanos. 1. ed. São Paulo: PerSe, 2016. v. 1. 162p .

Sinopse: Ocupar a cidade com intervenções tem sido o trabalho rotineiro de muitos artistas e anônimos. No fundo, o que eles e nós queremos é viver os espaços públicos, tomar o que é nosso, ocupar as ruas, transformar os muros, germinar bueiros, compartilhar o trânsito e (por que não?) fomentar todas essas ocupações pela e na internet – labirinto de ruas virtuais -, materializado na criação deste blog, que pretende mostrar perspectivas da arte, intervenções, comunicação e até mesmo dos grandes eventos, como Carnaval e Copa do Mundo, que também são formas de ocupação, de movimentos, de vibrações, de vida. Por meio do uso de fotos, vídeos e textos, pretendemos discutir a importância da ocupação dos espaços públicos, de que forma ela tem ocorrido, suas implicações na sociedade atual, as dificuldades encontradas pelas pessoas e artistas para essa ocupação e como os movimentos sociais têm se organizado para realizá-las e incentivá-las.

Leia mais sobre a obra: Livro de ex-alunos do Labjor discute a importância da ocupação dos espaços públicos

Para fazer o download do pdf gratuitamente acesse o link e para adquirir um exemplar impresso acesse aqui.

12390838_1154826564545131_7174986528091686196_n.jpg

Link para Download: goo.gl/lfOjp3

Fonte da imagem

[Unesp Ciência] Em 1975, ano internacional da mulher, a ONU começou a celebrar o Dia Internacional da Mulher em 8 de março. Dois anos depois esta data passa a ser celebrada todos os anos dentro da Organização.

É quase que uma discussão lugar-comum que o dia 8 de março não esteja aí para celebrarmos a feminilidade da mulher, sua beleza, sua meiguice presenteando-a com uma flor. Ainda assim, todos os anos precisamos relembrar que há outras coisas a serem discutidas. Nem todas as mulheres são assim femininas, meigas, sensíveis, cada mulher é única em sua experiência, vivência e vida. Se ainda importa ao mundo violento que permaneçamos mulheres sensíveis, femininas, belas segundo um padrão imposto a nós e que estes sejam os únicos atributos que possuímos e que têm valor, é preciso deixar evidente que esta é uma prática carregada de machismos. E o machismo não é meigo, bonito, sensível, ele é uma violência de gênero. Diante disso, no dia 8 de março precisamos falar sobre as violências que as mulheres sofrem diariamente e lutar contra elas. O machismo é parte de um sistema hierárquico perverso de gênero, classe, raça, sexualidade, religião. E esse sistema, que funciona muito bem, pode, mais uma vez, também no dia 8 de março, ser questionado e enfrentado através da nossa resistência.

Leia o texto completo 

Acesse a reunião de posts deste blog sobre  #igualdadedegênero ‪#‎diaInternacionaldaMulher‬

 

Leia mais: Meninas de 12 países reproduziram o discurso mais famoso de Malala; assista ao vídeo

Bookmark and Share

Clique para assinar este blog e receber notificações de novos artigos por email

Junte-se a 3.596 outros seguidores

Categorias

E-mail

dirguedes@yahoo.com.br

Mensagens recentes no Twitter

Current CO2 level in the atmosphere

População Mundial

Já somos 7 bilhões! Clique na figura e veja a população atual.

%d blogueiros gostam disto: