A relação entre movimentos sociais e artes, especialmente, intervenções nos espaços públicos, como o grafite e o teatro de rua, consiste do fato destas ações serem resultados de processos de construção de identidade.

Castells (1999, p. 24 e seguintes), divide as identidades na sociedade em rede em três tipos: legitimadora, que reforça o status quode resistência, referente a grupos oprimidos que resistem ou rebelam contra a dominação; e a de projeto, quando os atores sociais, utilizando-se de qualquer tipo de material cultural ao seu alcance, constroem uma nova identidade capaz de redefinir sua posição na sociedade e, ao fazê-lo, de buscar a transformação de toda a estrutura social.

Como as intervenções em espaços públicos muitas vezes apresentam/representam uma nova forma de vi(ver) na cidade, espera-se que estas sejam frutos de sujeitos, ou seja, de um ator social coletivo pelo qual indivíduos atingem o significado holístico em sua experiência.

Leia o texto completo no Blog Vi(ver) na Cidade