O carro ficou preso no engarrafamento? Que tal ir de bicleta!!!? artigo de Valdir Lami-Guedes

[EcoDebate] O automóvel, desde que foi inventado, no fim do século XIX, tem baseado o desenvolvimento econômico de diversas nações. Mas a popularização do uso de automóveis trouxe para as cidades a poluição do ar, sonora e visual e os engarrafamentos. Além disto, são responsáveis por uma grande emissão de gases causadores de efeito estufa.

A sociedade do carro tem sido vítima de seu próprio desejo maior – comodidade -. A necessidade de deslocar-se tem levado a um aumento do número de carros e altos investimentos na construção de vias para a circulação destes. Um exemplo emblemático disto é a cidade de São Paulo, depois de muitas décadas investindo na construção de vias destinadas ao transporte individual feito através de automóveis, é nítido que a cidade caminha para um travamento do seu sistema de transporte. Em São Paulo, foi ignorada a ideia de que os transportes coletivos (ônibus, metrô e trem) poderiam atender adequadamente às necessidades de deslocamento da população, com isto, nem carros, metrô (ainda insuficiente e superlotado) e ônibus atendem adequadamente as necessidades de transporte dos paulistanos.

Por causa disto, muitas pessoas têm utilizado bicicletas como meio de transporte e lutado pelo seu espaço dentro das cidades, construídas apenas para a circulação de carros. A realização de Bicicletadas, que é a concentração de pessoas usando bicicletas a fim de percorrerem algumas vias divulgando o movimento, com os objetivos:

* Pedalar;

* Divulgar, estimular, promover e criar condições favoráveis para o uso da bicicleta como meio de transporte;

* Integrar os ciclistas da cidade e valorizar a cultura da bicicleta; e,

* Conscientizar os usuários dos meios de transporte motorizados da importância da bicicleta para aliviar os congestionamentos.

“Um carro a menos” é dos principais lemas deste movimento, e a partir de intervenções na cidade como grafites, camisetas e a própria bicicletada estimulam os cidadãos a repensarem a cidade e o modo de viver nesta.

Alguns benefícios da utilização de bicicletas ou de transporte coletivo são a redução das emissões de CO2, melhorias na qualidade de vida e a simplificação da vida (redução de problemas com espaço e congestionamento). Outro slogan utilizado é o “Nós somos o trânsito”, utilizado para deixar claro aos motoristas que a bicicleta é apenas mais um componente da mobilidade urbana e que merece o devido respeito.

Usar a bicicleta como meio de transporte é compatível com a ideia de sustentabilidade nas pequenas coisas, ou seja, mudanças de comportamento visando impactar menos o meio ambiente. É o papel que cada pessoa pode tomar para si e contribuir para as melhorias de qualidade de vida, com um meio ambiente saudável e justiça social.

Valdir Lamim-Guedes, Biólogo e Mestre em Ecologia pela Universidade Federal de Ouro Preto. É administrador do Blog Na Raiz (https://naraiz.wordpress.com/).

O carro ficou preso no engarrafamento? Que tal ir de bicleta!!!? artigo de Valdir Lami-Guedes

Intervenções na Avenida Paulista, São Paulo-SP

EcoDebate, 15/08/2011