Os
extratitivistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo
da Silva, assassinados nesta terça-feira (24)

Os extratitivistas José Cláudio e Maria Silva, assassinados nesta terça-feira

 Por Felipe Milanez Do Terra Magazine

 “Qualquer coisa que eu fale, e qualquer coisa que eu escreva, tem lágrima. Eu acho que a tinta, quando eu to escrevendo, ela é borrada pela lagrima”. Pausa. Choro. Lágrimas.

E dona Maria continua: “A ousadia. Ela é uma coisa que alimenta, para mim. Alimenta a luta”. Mais choro.

Estamos sentados na varanda de sua casa, no assentamento agroextrativista Praia Alta Piranheira. Faz um dia bonito, sol forte, mês de outubro de 2010. A varanda é o “escritório” de Dona Maria, disse o marido seu Zé Cláudio.

Seu Zé Cláudio anda impaciente, enquanto dona Maria está sentada conversando comigo. Ele fica nervoso. Sabe que ela fala. E dona Maria conta as ameaças que eles têm sofrido. Intimidações. Recados. As angústias. Os madeireiros que querem cortar as castanheiras. Os carvoeiros que querem fazer carvão.

Os fazendeiros que querem pasto. É mulher forte. E sensível. Está concluindo a dissertação de mestrado – “quero estudar o nosso projeto de assentamento. Quem vem fazer pesquisa aqui, vem e vai, não volta.” Ela quer fazer um livro. Porque acha que as histórias devem ficar escritas.

 
Foto: Felipe Milanez

Ela me disse coisas muito bonitas. Cheia de lágrimas:

“Quando criou esse assentamento, pra mim era uma coisa tão distante. E eu sou do campo. Meu pai era do campo, nunca criou boi, sempre colheu da floresta. Com esse projeto, eu, como liderança dos povos extrativistas, toda a minha trajetória, chegando aqui, essa história de luta que nós estamos construindo aqui dentro. Todas as coisas bonitas. Foi um modelo em 1997. Hoje, contamos com o Conselho Nacional dos Seringueiros e a Comissão Pastoral da Terra. Ninguém mais apóia. Isso foi me angustiando. Surgiu a idéia de escrever um livro. O projeto ta sendo saqueado a cada momento, a biodiversidade está desaparecendo.

Os demais, são só omissos.

Tem que ficar alguma coisa escrita. Não pode eu fazer só o trabalho para universidade. Mas para eu deixar alguma coisa para as futuras gerações. Se você voltar daqui a um mês, ou daqui 10 anos, não importa. O dia que você voltar aqui você vai encontrar as mesmas pessoas, só um pouco mais velhas, já que a cada dia a gente envelhece. Mas a floresta é essa mesma. A idéia é essa mesma.”

Seu Zé Cláudio, um bravo guerreiro, estava revoltado com a venda ilegal de madeira: “quem compra?” E se dizia o verdadeiro ambientalista: “por que eu moro na floresta, eu vivo nela, e não vendo.”

Foto: Felipe Milanez

O casal foi assassinado na manhã desta terça-feira, por volta das 7:30, a cerca de 8 km de sua casa, enquanto iam para Marabá. Dilma mandou que a Polícia Federal investigasse – mandar a polícia investigar um crime seria necessário se não houvesse uma lei que obrigue a tanto. Mais justo teria sido o Planalto mandar algum representante para acompanhar as investigações, ao local, como foi feito no assassinato da irmã Dorothy Stang.

No mesmo dia do crime, à noite, a Câmara dos Deputados aprovou o projeto do novo Código Florestal.

Na plenária, o deputado Sarney Filho (PV), leu trechos de uma reportagem que escrevi sobre Zé Cláudio (http://www.viceland.com/blogs/br/2010/10/28/ze-claudio-e-a-majestade/). Zé Cláudio dizia amar a floresta, e queria que suas cinzas fossem enterradas junto da Majestade – a linda e imponente castanheira que ainda está de pé, dentro do seu lote. Muitos no plenário se emocionaram. Alguns choraram. Como eu choro quando releio o texto. Como as lágrimas que estão no teclado enquanto escrevo esse texto.

O assassinato do casal poderia tê-los tornado mártires em defesa da floresta. Mas nesse mesmo dia, os representantes da nação preferiam apontar um caminho diferente para o futuro: aquele onde a floresta, se continuar a existir, não terá importância para os brasileiros. Onde a biodiversidade, que tanto encantava seu Zé Cláudio Ribeiro da Silva e dona Maria do Espírito Santo, corre o risco de ser reduzida a pasto e boi. Num campo marcado de sangue.

Anúncios