[JC email] Manifestação de Valdir Lamim-Guedes* enviada ao JC email sobre a matéria Sem recursos para passagens aéreas, CTNBio deixa de fazer reunião mensal, publicada pelo Jornal Valor Econômico e divulgada no dia 17 de março.

Com mais de 20 anos de criação, a internet revolucionou a forma das pessoas se comunicarem. Podemos manter contato com muitas pessoas através de rede sociais videochamadas e trocamos milhares de e-mails por ano (talvez pouco menos que o número de cartas escritas por Charles Darwin durante a sua vida, cerca de 14 mil).

E esta revolução não para por ai. As ferramentas pedagógicas sofreram grandes mudanças permitindo a realização de cursos à distância que tem expandido muito no País recentemente. Dentro da estrutura de uma unidade voltada para a Educação à Distância (EaD) em uma Universidade, existem espaços para a realização de webconferências. Neste tipo de evento, as pessoas acessam determinado link, em um horário pré-estabelecido, e tendo os equipamentos adequados (computador, webcam, microfone e velocidade de banda adequada) todos podem conversar ou ver uma palestra.

Este tipo de evento é muito comum em cursos EaD, mas também tem sido utilizado por empresas para reunião de conselhos administrativos, contato entre diferentes unidades ou com clientes. Existem algumas iniciativas isoladas de juízes que fazem audiências à distância, evitando que se gaste dinheiro e grande contingente de policiais para fazer a remoção de presos até os fóruns. Inclusive, mantendo a segurança pública, no caso de presos muito perigosos, como o Fernandinho Beira-Mar e outros chefes do narcotráfico.

E no caso da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), que tem reuniões mensais em Brasília com 30 ou 40 pessoas que tem suas passagens de avião pagas pelos cofres públicos. Será que não poderiam ser realizadas reuniões utilizado a web e, esporadicamente, encontros presenciais para debater os pontos mais polêmicos?

Isto poderia evitar o acumulo de processo como tem acontecido atualmente e a busca por quórum em cada reunião.

E neste caso, os argumentos vão além do financeiro. A quantidade de carbono que é emitido pelo transporte aéreo de tantas pessoas deve ser considerada. Por exemplo, a COP15 em Copenhagen, realizada em 2009, mais de 50% das emissões de carbono desta conferência foram por causa do transporte aéreo dos participantes.

Outro problema relacionado a estas viagens, o tempo que cada participante desprende para participar das reuniões. Muitos profissionais que poderiam participar da CTNBio, não fazem simplesmente por falta de tempo. Quantos pesquisadores brasileiros trabalham no exterior? Estes poderiam participar de reuniões realizadas pela web.

A utilização de reuniões à distância é uma proposta que não deve ser utilizada para justificar cortes orçamentários, como os que ocorreram neste ano. Esta proposta deve ser encarada como uma adequação as novas tecnologias disponíveis, como um compromisso de reduzir os impactos de nossas ações cotidianas e facilitar a participação dos membros da comissão.

* Valdir Lamim-Guedes (dirguedes@yahoo.com.br) é mestrando pelo Programa de Pós-graduação em Ecologia de Biomas Tropicais da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop).

Texto Publicado pelo JC e-mail 4223, de 23 de Março de 2011.

Anúncios