Como parte das atividades em relação ao dia 21 de setembro, foi preparado uma animação que mostra, de forma muito simples, o que significam uma floresta e uma plantação para as comunidades locais.

A animação está disponível em:

http://www.wrm.org.uy/Videos_Esp/defender_a_vida.html

Comunicado à Imprensa, 21 setembro 2009 (http://www.wrm.org.uy)

Milhares exigem a detenção da expansão das plantações de monoculturas de árvores

Em 2004, organizações que lutam contra a expansão de plantações de árvores em grande escala declararam o dia 21 de setembro como o Dia Internacional Contra as Plantações de Monoculturas de Árvores. Desde a época, organizações do mundo inteiro levam a cabo atividades nessa data para conscientizar sobre o assunto. Neste ano, um grupo de pessoas de diferentes organizações tem lançado uma declaração internacional, exigindo a detenção da expansão das plantações. 8.429 pessoas de 85 países têm aderido à declaração.

Como essas plantações estão sendo promovidas sob o disfarce de florestas, a declaração resume as principais razões de preocupação: As comunidades locais são deslocadas para deixar o caminho livre para intermináveis fileiras de árvores idênticas eucaliptos, pinus, dendezeiros, seringueiras, jatrofas e outras espécies – que deslocam a maioria de outras formas de vida da área.

Esse deslocamento de pessoas e natureza causa um grande número de impactos sociais e ambientais: As terras agricultáveis, que são cruciais para a soberania alimentar das comunidades locais, são transformadas em plantações de monoculturas de árvores que produzem matérias-primas para exportação. Os recursos aquáticos se esgotam e são poluídos pelas plantações enquanto os solos se degradam.

As comunidades locais sofrem diferentes formas de violações aos direitos humanos, que vão da perda de meios de vida e deslocamento até a repressão e até casos de tortura e morte. Enquanto as comunidades sofrem em geral, as plantações resultam em impactos diferençados por gênero, onde as mulheres são as mais afetadas.

Apesar de toda a evidência documentada sobre os impactos das plantações, elas continuam sendo promovidas por uma coalizão de atores governamentais, intergovernamentais e empresariais, com o fim de colocar as terras das pessoas em mãos de corporações que operam nos setores da celulose e do papel, da madeira, da borracha e do azeite de dendê para permitir a continuação do consumo excessivo e esbanjador dos produtos dessas plantações pelas nações no abastado Norte.

A declaração salienta o fato de que a oposição está aumentando e que País trás país, as pessoas estão levantando-se para opor-se à expansão das plantações de árvores, e um movimento mundial tem estando crescendo nestes anos, reunindo as numerosas lutas locais e ajudando a elevar as vozes daqueles que sofrem por causa das plantações. Portanto, a mensagem é alta e clara: As plantações não são florestas: parem a expansão das plantações de monoculturas de árvores!

O texto completo da declaração (incluindo signatários) está disponível em: http://www.wrm.org.uy/plantaciones/21_set/2009/declaracao.html

Anúncios